domingo, 7 de março de 2010

Paris, day 1

Primeiramente, vou relatar as minhas últimas horas em Szczecin.
Na sexta à noite, fomos no Baila, um clube de lá. Muito legal, mas ficou muito lotado e a gente encheu o saco o empurra-empurra e fomos embora cedo. Era duas horas e eu já estava em casa. O Lee tinha bebido DEMAIS e a gente teve que carregar ele e depois ainda brigar para ele ir dormir.
No outro dia de manhã, terminei de arrumar as minhas malas, fui no Global Village me despedir de todo mundo e corri em desespero para não perder o ônibus para a estação, nem o trem.
Na ida para Berlim me passou um monte de coisa pela cabeça, que vou escrever aqui quando voltar do Brasil, sobre tudo o que me aconteceu lá e as pessoas que conheci.
Em Berlim, ontem, aproveitei para conhecer a parte de dentro do Reichtag, que ainda não tinha ido. Muito lindo, valeu a pena esperar 1h na fila para entrar.
À noite, peguei o trem para Paris.
A viagem começou bem. Haviam na cabine comigo 3 franceses: uma adolescente com cara de mau humorada, uma metaleira/lésbica e um nerd metido a engraçadinho. Até metade da viagem foram muito legais comigo, inclusive me dando dicas de o que visitar aqui. Na primeira parada, chegaram mais dois integrantes ao nosso vagão: uma russa de mini saia gorda e safada e um iraniano de meia idade MUUUUUITO safado, que só fazia piadinhas sem graça e comentários infelizes e constrangedores, todo se querendo pra adolescente com cara de mau humorada.
Foi aí que começou o inferno.
Como os 3 franceses e a russa safada não conseguiam dormir, eles também não me deixaram dormir. Ficaram a madrugada inteira conversando em francês e rindo muito alto. O nerd idiota se achando engraçado, a russa safada e a metaleira lésbica rindo pra não perder o amigo, a adolescente mau comida rindo ALTO DEMAIS e SÓ CORTANDO o iraniano que em 85% do tempo era o motivo das risadas - ou pelas merdas que falava ou por estar dormindo de boca aberta.
Em suma, eu queria ou me matar, ou matar eles. Dormi pouco e mal. E fiquei muito, mas MUITO brabo. Dei meu evil look mil vezes para todos eles.
Cheguei em Paris quase 10h da manhã e a Neuza, tia da Paula, estava lá me esperando.
Essa mulher não existe! Super gente fina, muito simpática, engraçada e prestativa. Me levou até a casa de uma amiga dela, a Carolina - brasileira de 20 e poucos anos - onde deixei a minha mala. Conheci também um amigo da Carol (íntima, já), o Fábio. Muito querido também. Depois de comermos uns legítimos croissants franceses, iniciamos nosso tour pela cidade luz. Até isso a Neuza está fazendo: sendo minha guia particular aqui. Não sei nem como agradecer, simplesmente perfeito.
Hoje conheci Sacre Coeur, Rue Lepic, Moulin Rouge, Pompidou, Notre Dame, Pantheon entre outros. Sol direto o dia todo, sem uma nuvem no céu, apesar do vento e do frio. Agora à noite eu dei uma caminhada pela rua que fica o Moulin Rouge, outras casas de show e muitos sex shops. Interessante, por assim dizer.
Amanhã acordo cedo e vou para a torre Eiffel e mais outros lugares famosos. Estou adorando a cidade, que tem uma atmosfera muito agradável, ideal para voltar outra vez, acompanhado de uma certa pessoa. ;)

Um comentário:

Juliana disse...

hahahahahah, pelo jeito já teve oportunidade de comprar os presentes encomendados pelas tuas amigas safadas brasileiras (menos eu, claro)!
e não me encomodaria de ser a pessoa especial que voltaria contigo para visitar Paris! hahah
aiiiii, que saudade!
beijos beijos